Belimumabe (Benlysta): eficácia se mantém e segurança está garantida após 13 anos de uso no lúpus.

Belimumabe tem indicação para um perfil específico de pacientes lúpicos, como adjuvante após a falha terapêutica dos tratamentos com corticóide, imunossupressores e antimaláricos.

Muito importante o estudo publicado hoje sobre belimumabe para pacientes com lúpus eritematoso sistêmico e que estejam em uso do remédio. O trabalho envolveu vários centros, com 298 pacientes recebendo infusões sequenciais do belimumabe e 1/3 desses completando até 13 anos de acompanhamento.

Resultados

O porcentual de indivíduos que teve efeitos adversos permaneceu estável ou foi caindo com o tempo. O índice de infecções também não se modificou com o passar dos anos e anticorpos protetores (IgG) medidos no sangue não diminuiram. No ano 1 do estudo 33% dos lúpicos atingiram índices clínicos de boas e ótimas respostas, subindo para 76% no ano 12. A dose de corticóides diminuiu para aqueles que utilizavam mais de 7,5 mg de prednisona no início do acompanhamento.

Conclusões

Esta publicação relata o maior tempo já acompanhado de uso do remédio belimumabe em pacientes lúpicos. Houve boa tolerância, sem surgimento de novos ou inesperados efeitos colaterais, e com eficácia se mantendo por 13 anos. Os pacientes que respondem inicialmente bem ao belimumabe podem manter o medicamento a longo prazo, o tratamento continuará a ser efetivo, seguro e com bom controle da doença.

Meus comentários

Este é o primeiro remédio oficialmente aprovado para tratamento do lúpus eritematoso sistêmico em mais de 30 anos. O trabalho tranquiliza médicos e pacientes sobre o uso a longo prazo do belimumabe, embora o número de pacientes efetivamente mantendo o remédio tenha sido bem menor do que gostaríamos: 476 pessoas com lúpus no estudo inicial, dos quais 298 seguiram o acompanhamento a longo prazo, e dos quais apenas 96 permaneceram até o final. Sabemos que muitos lúpicos não respondem ao belimumabe, o efeito benéfico pode se perder ao longo do tempo, ou alguns efeitos secundários comandam sua cessação. Mas é sempre importante termos mais um medicamento no armamentário contra o lúpus, vários pacientes poderão se beneficiar.

Para médicos, um pouco de imunologia

Belimumabe é um anticorpo monoclonal IgG1 cujo alvo é Blys. Blys é uma proteina solúvel indutora de linfócitos B, também tida como fator de sobrevivência para células B. Belimumabe se liga a Blys em circulação e impede sua ligação ao receptor na superfície de linfócitos B, inibindo assim a sobrevivência de células B, incluindo as autoreativas. Com este mecanismo inibitório não há transformação de linfócitos B em plasmócitos e, consequentemente, não há produção de autoanticorpos. As indicações para uso de belimumabe no lúpus são debatíveis, converse com o reumatologista antes de usar em qualquer paciente.

Referências

Consulte a bula aqui: https://consultaremedios.com.br/belimumabe/bula

Artigo original: Daniel J WallaceEllen M GinzlerJoan T MerrillRichard A FurieWilliam StohlW. Winn ChathamArthur WeinsteinJames D McKayW Joseph McCuneMichelle PetriJames FettiplaceDavid A RothBeulah JiAmy Heath.First published: 16 February 2019 https://doi.org/10.1002/art.40861

OBS – esta postagem tem objetivo meramente educativo, não houve recebimento de honorários de qualquer natureza para sua publicação.

Leave a Reply

%d bloggers like this: