Depressão e ansiedade são sintomas que pioram a artrite reumatóide?

Público alvo: técnico e leigo.

Depressão e ansiedade são sintomas altamente prevalentes em artrite reumatóide. Trabalhos científicos sérios dão conta que 15% dos pacientes artríticos apresentam depressão. Um número muito maior que os 5% da população em geral.

Sintomas de ansiedade são também frequentes na artrite reumatóide, um estudo mostrando prevalência de 25% após aplicação do GAD-7, questionário validado para o sintoma (“Generalised Anxiety Disorder – 7”).

As implicações da artrite reumatóide para a qualidade de vida são imensas. Sintomas psicológicos mais intensos estão associados a maior dor, piora de fadiga, uso de serviços médicos e maior risco de mortalidade prematura.

As relações entre saúde física e mental são bidirecionais. Maior estresse psicológico infla os relatos subjetivos de dor e impacta comportamentos de saúde, como má adesão aos medicamentos e volta ao hábito do fumo. Afora isto, desordens mentais comuns estão associadas à desregulação imune.

Estudos recentes mostram relação longitudinal, prospectiva, entre depressão e sintomas da artrite reumatóide: estados de depressão pioram a dor e a atividade da doença, reduzindo então a eficácia dos tratamentos. Estresse psicológico prediz maior atividade da doença por instrumentos de uso comum como o DAS28, também reduzindo a chance de atingir remissão clínica – pelo menos após 2 anos de follow-up. Mas os estudos são esparsos e nem sempre da melhor qualidade técnica.

Pesquisa publicada há poucos dias tenta jogar maior clareza nas equações descritas. A contribuição dos autores está na conclusão: índice DAS28 inflado, na presença de marcadores laboratoriais normais, pode estar refletindo problema psicológico subjacente, com aumento de dor articular não-inflamatória, não refletindo assim atividade real da artrite. As implicações para a correta conduta médica nestas situações são claras.

Abaixo o resumo do artigo.

Are depression and anxiety associated with disease activity in rheumatoid arthritis? A prospective study.

Matcham F, Ali S, Irving K et al. BMC Musculoskeletal Disorders BMC series – open, inclusive and trusted 201617:155 DOI: 10.1186/s12891-016-1011-1

Background

This study aimed to investigate the impact of depression and anxiety scores on disease activity at 1-year follow-up in people with Rheumatoid Arthritis (RA).

Methods

The Hospital Anxiety Depression Scale (HADS) was used to measure depression and anxiety in a cross-section of RA patients. The primary outcome of interest was disease activity (DAS28), measured one-year after baseline assessment. Secondary outcomes were: tender joint count, swollen joint count, erythrocyte sedimentation rate and patient global assessment, also measured one-year after baseline assessment. We also examined the impact of baseline depression and anxiety on odds of reaching clinical remission at 1-year follow-up.

Results

In total, 56 RA patients were eligible for inclusion in this analysis. Before adjusting for key demographic and disease variables, increased baseline depression and anxiety were associated with increased disease activity at one-year follow-up, although this was not sustained after adjusting for baseline disease activity. There was a strong association between depression and anxiety and the subjective components of the DAS28 at 12-month follow-up: tender joint count and patient global assessment. After adjusting for age, gender, disease duration and baseline tender joint count and patient global assessment respectively, higher levels of depression and anxiety at baseline were associated with increased tender joint count and patient global assessment scores at 1-year follow-up.

Conclusions

Symptoms of depression and anxiety have implications for disease activity, as measured via the DAS28, primarily due to their influence on tender joints and patient global assessment. These findings have implications for treatment decision-making as inflated DAS28 despite well controlled inflammatory disease markers may indicate significant psychological morbidity and related non-inflammatory pain, rather than true disease activity.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s